APRECIAÇÃO CRÍTICA DO FILME “GRITO DE REVOLTA”

Imprimir
Publicado em:

2017 03 16 Grito.jpg

“Grito de Revolta” (1996) de Scott Kalvert

Nos anos 70, um grupo de adolescentes vê-se obrigado a enfrentar problemas para os quais não parecem estar preparados. Com um passado difícil, revoltados com a sociedade e a sofrer pressão dos pais e do treinador para se tornarem na melhor equipa de basquetebol, os rapazes encontram nas drogas um novo vício. Para sustentá-lo, chegam a roubar e a prostituir-se pelas ruas de Nova Iorque.

“Grito de Revolta” é a adaptação cinematográfica do livro de Jim Carroll, “The Basketball Diaries”, o qual podemos considerar uma autobiografia, já que o livro é o diário onde Jim escreveu durante a adolescência. Um passado turbulento, a morte do melhor amigo, a pressão e a revolta, levam Jim a acabar com o seu sonho de ser jogador de basquetebol por se tornar toxicodependente. O filme, dirigido por Scott Kalvert, conta com Leonardo DiCaprio na personagem principal e também com Mark Wahlberg e Juiette Lewis.

Apesar de contradizer alguns factos citados no livro, o filme retrata de forma extraordinária todo o sofrimento vivido nesta história, não só por Jim e pelos amigos, mas também pela mãe do mesmo que vê o filho mudar drasticamente de comportamento. Durante 1h44 minutos, ficamos presos ao filme, pois acompanhamos a triste história de quatro adolescentes, ao mesmo tempo que podemos perceber um pouco de como era Nova Iorque nos anos 70 e, principalmente, como o filme é narrado pelo personagem principal, usando frases originais do livro, podemos perceber como era a mente de Jim, como ele era cheio de talentos mas também confuso, assustado, zangado e como se sentia sozinho. Desde a primeira vez que Jim experimenta heroína até à cena onde é expulso de casa pela própria mãe, o filme consegue fazer-nos sentir cada emoção, como se lá estivéssemos.

Acima de tudo, “Grito de Revolta” oferece-nos uma grande lição porque vemos um rapaz, com talento para a escrita e para o desporto, tornar-se triste e desesperado, perder-se a si mesmo e quase acabar morto.

 Gabriela Ferreira, 10.º F

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn
Wednesday the 20th. Working... | Home | Joomla 3 Templates Joomlaskins